dengue

O combate à proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, é responsabilidade de cada morador, para evitar que o bairro seja um local com grandes registros de casos da doença na capital. 
Francisco Pimentel, morador na rua Maria Heilbulth Surette, entrou em contato com nossa reportagem para denunciar uma situação que tem lhe trazido muita preocupação. Bem ao lado do edifício onde mora, no número 1324, existe um conjunto de prédios em construção, mas que teve suas obras paralisadas já há algum tempo. Com o abandono do local, o morador acredita que o imóvel se tornou um grande criadouro do Aedes aegypti, principalmente após o mês de março, quando houve uma incidência de chuvas na região.

 

De acordo com Francisco, ao entardecer precisa fechar as janelas de seu apartamento para evitar a entrada de mosquitos, vários deles, transmissores da dengue. “Quando chega quatro horas da tarde a gente fecha toda a casa, mas mesmo assim alguns entram. Quando estou lendo um jornal, vendo uma televisão, de repente sente-se a picada. Quando olhamos nos deparamos com o mosquito da dengue. Um absurdo.” Para o morador é preciso que o poder público tome uma providência a respeito, pois não adianta tentar solucionar o problema depois que alguém tiver a doença. “Tenho uma tia que teve dengue duas vezes. Acompanhei de perto seu sofrimento e não quero isso para mim e nem para os outros”, finaliza.

 

MAIS CONSTRUÇÃO

 

Cristina Guerra é moradora na rua Clementino Viana Dotti e vive a mesma situação de Francisco. Na sua rua também existe uma construção paralisada e os moradores estão preocupados em serem contaminados pela dengue. “É complicado. A gente toma os cuidados devidos, a maioria dos vizinhos faz a sua parte e, mesmo assim, corremos o sério risco de sermos contaminados devido a uma situação que está alheia a gente”.

 

Cristina aproveita o espaço para também dar um puxão de orelhas em alguns moradores que não estão fazendo a sua parte. “Percebo que há vizinhos que não estão nem ai. Da varanda da minha casa vejo piscinas que ninguém limpa. Inclusive, já denunciei uma vez. Eu faço a minha parte e ainda sim fico preocupada”, completa.

 

Entramos em contato com o centro de zoonoses da regional oeste. A informação é de que eles não podem entrar em espaços privados sem autorização. Contudo, uma notificação pode ser feita. Caso o responsável pelo imóvel não tome providências,
outros órgãos, com maior poder de fiscalização, deverão ser acionados.

 

Fonte: Jornal do Buritis

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

FALE CONOSCO

Envie-nos uma mensagem

Enviando

©2019 Meu Bairro Buritis | Todos os direitos reservados

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?