Acontece

Polícia apreende mais de três mil comprimidos de ecstasy no Buritis

Um promoter de uma casa noturna da Região Centro-Sul de Belo Horizonte foi preso pela Polícia Civil em Sabará, na Região Metropolitana de BH, suspeito de vender drogas sintéticas em baladas da capital. Os policiais apreenderam 3.808 comprimidos, material avaliado entre R$ 140 e R$ 200 mil. Os comprimidos chegaram em caixas pelo correio e a maior parte da droga foi escondida por ele na casa da namorada, que mora no Bairro Buritis, Região Oeste de Belo Horizonte.

O suspeito, identificado como Walter Ernesto Goddard Júnior, de 24 anos, foi apresentado pela Polícia Civil na manhã desta quarta-feira. Segundo o delegado Rodolfo Rabelo, responsável pelas investigações, o preso é de Sabará e vem de uma família com boas condições financeiras. A polícia suspeita que ele agia há mais de um ano. “Ele era promoter, produzia festas em algumas boates da capital, e se valia da função que exercia para promover a venda de drogas”, disse o delegado. Rabelo acredita que esta pode ter sido uma das maiores apreensões de drogas sintéticas entre as delegacias de BH.

As investigações começaram há dois meses e levaram ao cumprimento de dois mandados de busca e apreensão em 13 de julho. Na ocasião, a namorada de Walter estava na casa dele, em Sabará, quando a polícia chegou. Os policiais encontraram cerca de 100 comprimidos no imóvel. O outro mandado foi cumprido no imóvel da mulher. Mais de 3 mil comprimidos estavam separados em duas caixas do Sedex. Uma delas estava escondida em uma mochila guardada em um armário. O cômodo ficava trancado. Quando não estava na cidade, ela deixava o imóvel aos cuidados de Walter.
Publicidade

“A namorada dele não tinha nenhum conhecimento de que a droga estava lá”, explica o delegado Rodolfo Rabelo. “Ela é de fora da cidade e estudava aqui em Belo Horizonte. Ele se valeu de um dia em que ela não estava na capital, pegou as chaves da casa e guardou a droga lá. A família ficou assustada, ela ficou assustada, porque ela não tinha conhecimento que ele tinha envolvimento com o tráfico”, disse. A mulher foi conduzida, ouvida e liberada.

Durante o cumprimento dos mandados judiciais, os policiais ainda encontraram R$ 3 mil em dinheiro, uma balança de precisão, embalagens plásticas para embalar as drogas, um simulacro de arma de fogo e uma faca peixeira, de acordo com a corporação.

Conforme a polícia, cada comprimido de ecstasy era vendido por R$ 30 ou R$ 50. A variação de preços dependida do evento. O delegado estima que o material apreendido está avaliado entre R$ 140 mil ou R$ 200 mil. As caixas do Sedex tinham remetente de São Paulo, Rabelo acredita que o endereço é falso.

Ainda segundo Rodolfo Rabelo, Walter disse que não comercializava as drogas, e que estava apenas guardando o material ilícito para terceiros. Durante a apresentação à imprensa, ele permaneceu em silêncio. Até então, ele tinha uma única passagem pela polícia, por crime de trânsito. Ele foi encaminhado ao Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) Gameleira.

O delegado também falou sobre o perfil dos traficantes de drogas sintéticas. “Como a droga sintética custa mais e está ligada à realização de eventos, geralmente a pessoa que tem maior poder aquisitivo é que pode comprar. Esses traficantes de drogas sintéticas geralmente são de famílias boas, que têm condição boa, e não têm relação com o tráfico violento, como chamamos, que vive de favela, que vende nas ruas”, detalhou. As investigações continuam para tentar descobrir se outras pessoas estavam envolvidas no esquema.

 

Fonte: Estado de Minas

 

Meu Bairro Buritis

Relative Posts

Deixe um Comentário

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.